Os EUA agora são um estado falido e o que fazer com isso. (Parte 2) Benjamin Fulford em Português

27-07-2020

Por Benjamin Fulford

[Continuação da PARTE 1]

Agora, vejamos o que ainda não aconteceu. Não houve jubileu ou anulação única de todas as dívidas públicas ou privadas. Não houve redistribuição de bens mal adquiridos. Não houve anistia para os criminosos não violentos.
Os meios de comunicações sociais empresariais ainda podem, dia após dia, vomitar mentiras e propagar medo.

Além disso, os americanos estão sendo atacados com armas biológicas e radiação electromagnética 5G, a afim de força-los a tomarem vacinas. Estas vacinas, de acordo com a NSA, contêm microchips modificadores de comportamento que funcionam em conjunto com sinais 5G. No momento, os americanos estão obcecados com as suas “notas de crédito”, um sinal de completa escravidão pela dívida.

A outra coisa a ser notada é que não houve a liberação da tecnologia oculta e nenhum reconhecimento público do Programa Espacial Secreto por Trump ou por seu regime. Em vez disso, criaram uma força espacial que, até agora, parece estar firmemente presa na superfície deste planeta.
Em outras palavras, apesar dos avanços reais feitos por Trump e pelo seu pessoal, seus esforços ficam muito aquém da tão necessária Segunda Revolução Americana.

Existe um grupo que propõe uma solução que envolve uma fusão entre os Estados Unidos e o Canadá para criar os Estados Unidos da América do Norte/United Sates of North America (EUAN/USNA). Tal entidade seria capaz de reiniciar o continente com um verdadeiro recomeço.

Uma proposição exige um jubileu, ou uma anulação completa de todas as dívidas, públicas e privadas. Requer também uma redistribuição pontual de patrimônio para que cada família norte-americana fosse proprietária da sua própria casa e tivesse o equivalente a 400.000 dólares em ativos. Haveria também uma anistia pontual de criminosos não violentos. Isto incluiria cerca de 47% de presos federais, aprisionados sob acusação de drogas.

Outras propostas incluem uma dissolução dos cartéis dos meios de comunicações sociais dominados pelos khazarianos. Isto incluiria não só os meios de comunicações sociais empresariais como, também, dos gigantes tecnológicos, editoras de livros impressos, etc. O atual regime de mentiras e propaganda seria substituído por outro de verdade e fatos.

Outra ideia é transferir a capital dos EUAN/USNA para fora de Washington. O Estado do Dakota do Norte foi proposto, porque é o centro geográfico da América do Norte. Contudo, qualquer decisão deste tipo seria tomada democraticamente, de acordo com a vontade do povo.

O complexo industrial militar dos EUA, também, passaria por uma completa transformação, de espadas em arados. A fim de obter o apoio deste poderoso lobby, a transformação seria iniciada com um aumento generalizado de 20% nos salários. As empresas militares de alta tecnologia seriam reequipadas para a exploração espacial e para fornecer dispositivos de transporte futuristas. As tropas norte-americanas seriam realinhadas para protegerem as reservas naturais e os fracos e pobres do mundo.

O sistema de saúde, também, seria completamente reformulado. Os pormenores seriam trabalhados por especialistas, de acordo com as melhores práticas mundiais. No entanto, um princípio essencial seria consagrado. Sob o novo regime, as apólices de seguro seriam reconfiguradas, de modo a que quanto mais pessoas mais saudáveis existisse, mais dinheiro a indústria médica ganharia. Algo oposto ao atual de: Quanto mais doentes, mais dinheiro a indústria médica e farmacêutica ganha. Foi isto que criou o incentivo para a disseminação deliberada de bioarmas, agentes cancerígenos e outras toxinas.

A outra mudança com os EUAN/USNA seria que o povo como um todo estaria envolvido no planejamento do futuro. As pessoas seriam questionadas sobre o tipo exato de futuro que pretendiam e depois os especialistas descobririam como viabilizá-lo.

Os EUAN/USNA, também, seriam geridos por uma combinação de democracia restaurada e rejuvenescida, combinada com a meritocracia. O Pentágono é um exemplo de uma meritocracia. Corporações bem geridas são outra coisa. Qualquer pessoa pode se promover se tiver o que é preciso. Uma nova meritocracia seria colocada a cargo do planejamento futuro. No entanto, o trabalho real seria levado a cabo pelo setor privado. A democracia asseguraria que as meritocracias não se tornem estabelecimentos de elite de autosserviços, colocando-os firmemente sob o controle do povo.

A Família Dragão Dourado, se ofereceu para, gratuitamente, conceder inúmeros trilhões de dólares para ajudar a garantir que os EUAN/USNA seriam, de forma benevolente, financiados para que pudesse começar a funcionar. O resto do mundo, também, está pronto a ajudar o povo americano na medida em que este abandona os longos anos de escravidão pela dívida babilônica e controle mental.

A resistência a este plano vem das pessoas que financiam Donald Trump, os Sionistas, os Rothschilds e os seus comparsas doentes. Enquanto estes permanecerem no controle, os Estados Unidos assistirão a uma contínua deterioração em anarquia e pobreza.

Neste Outono, haverá um grande impulso para transformar esta visão, ou uma versão melhorada dela, em realidade. O apoio dos 5 olhos militares e do aparelho de inteligência, em harmonia com os seus homólogos europeus, será essencial. Só um Ocidente unificado será capaz de assegurar que os Estados Unidos se erga como uma Fênix das cinzas, mais forte e mais bela do que antes. O mundo espera e reza para que os bons e velhos EUA, amigos de outrora regressem em breve.

Fim.


Nota do Blog:

A leitura dos relatórios de Fulford deve ser feita com certa sagacidade, ou seja, ele parece compartilhar informações diretamente de supostas fontes dentro do Pentágono, da CIA, da White Dragon Society (Sociedade do Dragão Branco) e assim por diante.

Frequentemente, as previsões e declarações de Fulford são altamente precisas, enquanto que, em outros casos, são infundadas e com dados contraditórios.Em vez de olhar para Fulford como alguém que é o ‘mensageiro’ de uma verdade maior, seria mais produtivo considerar seus dados como uma perspectiva possível do que está acontecendo na Terra neste momento.

É claro que isso se estende a todas as fontes de informação. Fulford, como todos nós, é humano e pode cometer erros. Mas isso não diminui o trabalho que ele fez para aumentar a conscientização, construindo um futuro melhor para a humanidade.

O discernimento é o processo de entender o que é algo, no caso de Fulford, significa receber seus relatórios sem crê-los cegamente e, em seguida, fazer a pesquisa de acompanhamento / verificação de fatos para determinar o que realmente aconteceu. Dessa forma, é um exercício de discernimento em tempo real.

O fato de tantas pessoas continuarem lendo seus relatórios, apesar de sua natureza sensacional e extremamente imprecisa às vezes – embora também sejam precisas e comoventes – significa que as pessoas de quem ele recebe informações provavelmente o estão usando como porta-voz para falar com você – o leitor que está no caminho do despertar. Como tal, crença cega ou rejeição insensível não são nossos aliados, mas sim o pensamento crítico e a mente aberta.

Como eu disse antes, se ele está servindo como porta-voz de vários grupos que trabalham para mudar o status quo ou agentes infiltrados dentro da Cabala, podemos decifrar os dados como se fosse uma forma de propaganda do despertar – informações que alguns envolvidos diretamente querem expor à grande massa. Que efeito isso tem no seu processo pessoal depende muito de você. Mas eu sugeriria assumir um papel ativo no discernimento e não cair na armadilha da total aceitação ou rejeição.

– Ninhursag 137


Autor: Benjamin Fulford
Fonte primária: http://benjam20infulford.net / http://benjaminfulford.typepad.com
Tradução: Cândido Pedro Jorge / Sementes das Estrelas

1 thought on “Os EUA agora são um estado falido e o que fazer com isso. (Parte 2) Benjamin Fulford em Português”

  1. Pingback: Os EUA agora são um estado falido e o que fazer com isso. (Parte 1) Benjamin Fulford em Português

Leave a Reply