Atualização da Equação de Drake sugere que civilizações extraterrestres podem se agrupar em uma região específica de nossa galáxia

A ciência agora tem uma versão atualizada da equação para estimar o número de lugares em nossa galáxia que podem hospedar inteligências extraterrestres (ETI).

Uma pequena equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA e da Escola Secundária de Santiago desenvolveram uma versão atualizada da velha Equação de Drake, usada para calcular a provável existência de civilizações extraterrestres.

A equipe carregou seu documento para o servidor de pré-impressão arXiv.

Ao longo da história da humanidade, muitos se perguntaram se existe vida em outros planetas, inteligentes ou não. À medida que novas ferramentas foram aplicadas ao problema, muitos cientistas se convenceram de que a probabilidade de civilizações extraterrestres se desenvolverem parece mais provável do que não, considerando tudo o que foi aprendido.

Com as recentes descobertas de sistemas de exoplanetas, com muitas estrelas hospedeiras semelhantes ao nosso sol, tornou-se difícil a crença de que a Terra é a única que produziu vida e seres com a inteligência.

Equação Atualizada

Em 1961, Frank Drake e seus colegas desenvolveram uma equação (agora conhecida como a Equação de Drake) para calcular as probabilidades da existência de civilizações extraterrestres na Via Láctea, dado tudo o que se sabia sobre o espaço e objetos astronômicos na época. Os pesquisadores levaram em consideração variáveis ​​como o número de prováveis ​​exoplanetas e sistemas estelares e quantos deles seriam capazes de sustentar vida.

Desde então, os cientistas planetários aprenderam muito mais sobre o espaço e os objetos celestes; exoplanetas foram observados, por exemplo, alguns em suas próprias zonas Goldilocks (habitabilidade); e o conhecimento sobre a idade do universo e as circunstâncias após o Big Bang aumentou.

Agora, em um novo esforço, os pesquisadores levaram todos os novos fatores em consideração e acrescentaram algo que não foi considerado em 1961: a probabilidade de outras civilizações extraterrestres emergirem e, em seguida, se extinguirem inadvertidamente.

Humanos e outros animais têm uma maneira de destruir seu meio ambiente. Os ratos introduzidos em uma ilha comerão até o último pedaço de comida, por exemplo, e então todos morrerão de fome. Os humanos podem seguir situações semelhantes. Os pesquisadores sugerem que tal evidência provavelmente significa que, se civilizações extraterrestres surgiram, a maioria delas pode não estar mais lá devido à sua incapacidade de prevenir sua própria extinção.

4 kiloparsecs de inteligência

A versão atualizada da equação foi aplicada a um modelo de nossa galáxia e, de acordo com o novo estudo, o resultado mostrou que uma região anular localizada a 13.000 anos-luz (4 kiloparsecs) do centro da Via Láctea ainda poderia conter um aglomerado de civilizações inteligentes semelhantes à nossa.

Não é um conhecimento seguro, mas os pesquisadores afirmam que levaram em consideração três parâmetros principais: a taxa de probabilidade de abiogênese, ou seja, de que a matéria inorgânica se transforme em vida orgânica; escalas de tempo evolucionárias, isto é, se o exoplaneta em questão tem tempo suficiente para que seres inteligentes se desenvolvam nele; e também a “probabilidade de autoaniquilação da vida complexa”.

Da mesma forma, os autores esclarecem que seu trabalho não é conclusivo e visa apenas oferecer uma ferramenta mais precisa para que outros cientistas realizem seus próprios cálculos sobre a população galáctica inteligente.


Fonte: mysteryplanet.com.ar
Tradução: Ninhursag137

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *