Grupo de vigilância eleitoral expõe esquema milionário de Zuckerberg para eleger Biden

Zuckerberg deu US$ 500 milhões a funcionários do governo e grupos eleitorais em uma “tentativa nua e crua de comprar uma eleição”, disse o watchdog

Um grupo de vigilância da integridade eleitoral divulgou um relatório na quarta-feira detalhando um enorme esquema multimilionário do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, para influenciar o processo eleitoral em vários estados em favor de Joe Biden.

Link para visualizar o relatório: https://got-freedom.org/wp-content/uploads/2020/12/HAVA-and-Non-Profit-Organization-Report-FINAL-W-Attachments-and-Preface-121420.pdf

O Projeto Amistad da Thomas More Society documentou mais de US$ 500 milhões em doações de Zuckerberg para funcionários estaduais e locais por meio de “um aparato de dark money de 10 organizações sem fins lucrativos financiadas por 5 fundações, disseram. Phill Kline, diretor do Projeto Amistad, comparou os esforços de Zuckerberg a um “governo paralelo comandando nossas eleições”, em uma entrevista coletiva na quarta-feira.

A maior parte dos fundos foi para o Centro de Tecnologia e Vida Cívica (CTCL), uma organização sem fins lucrativos “cujas receitas anuais anteriores nunca ultrapassaram US$ 1,2 milhão”, observou o Projeto Amistad.

“Essa rede injetou centenas de milhões de dólares na eleição, violando as leis eleitorais estaduais e federais no processo e garantindo uma distribuição desigual de recursos que favorecia os distritos democratas, privando os eleitores do devido processo legal e de proteção igual”, disse Kline.

O relatório do Projeto Amistad citou o exemplo de uma doação de US$ 100.000 para o prefeito de Racine, Wisconsin, ligada a um pedido para que ele “recrute quatro outras cidades para desenvolver um pedido de subsídio conjunto do CTCL” “Este esforço resulta na submissão dessas cidades a um Plano Eleitoral Seguro” em 15 de junho de 2020 para o CTCL e, por sua vez, recebendo $6,3 milhões para implementar o plano, relatou o órgão eleitoral.

“A provisão de fundos do Zuckerberg-CTCL permitiu que esses redutos democratas gastassem cerca de US $ 47 por eleitor, em comparação com US $ 4 a US $ 7 por eleitor em áreas tradicionalmente republicanas do estado”, disse o relatório.

De acordo com o Projeto Amistad, a colaboração entre os funcionários do CTCL e de Wisconsin também violou a lei federal, que determina que “planos eleitorais estaduais .sejam submetidos aos funcionários federais e aprovados”. “Essas irregularidades existiam onde quer que o dinheiro de Zuckerberg fosse concedido a funcionários eleitorais locais”, continuou o relatório.

Uma análise anterior conduzida pelo grupo descobriu que 99,5% de pelo menos US$ 63,4 milhões em doações do CTCL neste ciclo foram destinados a condados e cidades predominantemente democratas.

“Zuckerberg pagou pelos juízes eleitorais; comprou as drop boxes (caixas eleitorais) – contrário à lei estadual; ordenou a consolidação das instalações de contagem; Zuckerberg pagou às autoridades locais que taparam as janelas da sala de contagem; O dinheiro de Zuckerberg comprou as máquinas, Dominion e outros; e o dinheiro de Zuckerberg foi contribuído para secretários de estado, como Jocelyn Benson de Michigan, que lutou pela transparência nesta eleição”, afirmou Kline na quarta-feira.

Outros “interesses de alta tecnologia” apontados pelo Projeto Amistad como tendo interferido substancialmente na eleição incluem “dark money” e grupos conectados a Big Tech, como o Democracy Fund e o New Venture Fund.

“Devemos agir agora para evitar tais eleições privatizadas no futuro. O público americano merece eleições transparentes e justas, não eleições sem lei dirigidas por poderosos interesses privados”, disse Kline.


Fonte: lifesitenews.com
Tradução: Ninhursag137

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *