O simbolismo oculto no presépio oficial do Vaticano

O presépio do Vaticano em 2020 é uma coleção bizarra de peças feias que incluem um astronauta e um carrasco usando uma máscara com chifres. Além disso, a coisa toda está repleta de simbolismo oculto. Aqui está uma análise desta peça intrigante.

Em 11 de dezembro, o Vaticano revelou seu presépio de 2020 na Praça de São Pedro. E, uma vez que a cortina vermelha que cobria a cena foi removida, a multidão descobriu um anjo Gabriel altaneiro, brutalista e totêmico olhando para eles, junto com um astronauta e um carrasco mascarado (sim, aqueles caras que matam pessoas que são condenadas à morte).

Digamos que os aplausos que se seguiram à inauguração foram “educados”. Aqui estão algumas fotos do presépio:

Um anjo de aparência sinistra olha para a multidão enquanto Jesus, por um tempo (não sei por quê), permanece coberto por um pano vermelho. Atrás das figuras está uma luz de néon que provavelmente se parece com montanhas no horizonte. No entanto, à primeira vista, parece um raio atingindo o presépio.
Um astronauta e um carrasco mascarado também estão incluídos na cena da Natividade.

Em um comunicado à imprensa, um governador da Cidade do Vaticano anunciou que a manjedoura “pretende ser um sinal de esperança e fé para todo o mundo, especialmente neste momento difícil devido à emergência de saúde COVID-19”.

Mas isso não trouxe “esperança e fé” de forma alguma. Na verdade, quase todos os observadores absolutamente odiavam.

É quase como se o Vaticano tivesse criado – de propósito – algo que é tão feio que faz com que os cristãos devotos detestem uma peça que descreve o nascimento de Jesus. Os satanistas não teriam feito melhor.

Feiúra armada

Intitulado “Presépio Monumental”, este presépio foi originalmente criado entre 1965 e 1975 por alunos e professores da Escola de Arte FA Grue em Castelli, Itália. A obra original continha mais de 50 peças, mas apenas algumas foram selecionadas para o presépio do Vaticano e um dos escolhidos foi um carrasco usando uma máscara com chifres.

“Monumental Nativity” é considerado uma homenagem às mundialmente conhecidas obras de cerâmica da região de Abruzzo, ao mesmo tempo que dá um toque pós-moderno ao clássico presépio.

Em entrevista a um jornal local, a historiadora de arte italiana Andrea Cionci perguntou se era um “pesadelo ou uma obra-prima”.

“Esqueça o doce rosto de Nossa Senhora, a terna e luminosa encarnação do Menino Jesus, a paternal doçura de São José e a devota maravilha dos pastores. Pela primeira vez no meio da colunata de Bernini, o Vaticano ergueu uma obra brutalmente pós-moderna que data dos anos sessenta.

Na escolha deste presépio são reconhecidos todos os temas do pontificado de Francisco: Acima de tudo, um modernismo pesado e uma ruptura drástica com a Tradição.

As figuras lembram as máscaras dos antigos e ferozes samnitas, ancestrais dos abruzeses, que tinham uma religião panteísta, animista, fetichista, mágica, um pouco como a deusa da fertilidade andina Pachamama.

O “presépio” de Castelli é uma obra ultrapassada e produto de uma escola de arte fortemente ideológica. A obra oferece uma imagem da cerâmica de Castelli que certamente não corresponde à realidade, visto que esta admirável arte é conhecida pela sua elegância formal e pela sua inspiração decorativa requintada e delicada que aqui estão completamente ausentes.

As referências às esculturas gregas, egípcias e sumérias dos personagens sugerem o método crítico-histórico liberal de interpretação das Escrituras. Os eruditos bíblicos liberais levantaram a hipótese de vários aspectos da Bíblia como adaptações de culturas pagãs, e não como resultado da revelação divina.”

Embora a “feiura” seja subjetiva, esse presépio quase sai de seu caminho para ser o mais desagradável possível aos olhos, o que, por sua vez, é desagradável à alma. O mínimo que se pode dizer é que essa cena é anti-devocional. Quero dizer, quem realmente oraria por essa coisa? Você simplesmente não pode. E esse é o objetivo das mentes distorcidas por trás dessa coisa.

Além disso, além de sua feiura geral, o presépio também contém muitos símbolos e referências históricas que transmitem uma mensagem bastante evidente: Esta é, na verdade, uma cena anti-Natividade.

Anti-Natividade

Normalmente, o foco central das cenas da Natividade é o menino Jesus. No entanto, nessa coisa, o Menino Jesus é basicamente uma criança aleatória, parada ali, parecendo uma rolha gigante.

O foco central desta peça não é Jesus, mas sim o anjo Gabriel. Ele está cercado por uma enorme auréola, enquanto Jesus ainda está ali parecendo uma rolha gigante. Além disso, o anjo eleva-se sobre tudo em cima de um pilar com nervuras. A forma geral deste pilar lembra muito um importante símbolo do Egito Antigo: o pilar Djed.

À direita: Um pilar djed dedicado à deusa Hathor.

O djed é um símbolo comum no Egito Antigo e acredita-se que represente o deus Osíris, mais especificamente sua espinha. Embora esse símbolo provavelmente tenha um significado esotérico relacionado aos chakras, o djed também é fálico por natureza e está associado a ritos de fertilidade. Na verdade, a “ressurreição do djed” foi uma cerimônia importante no Egito Antigo.

“A cerimônia de levantamento do djed pretende representar o triunfo de Osíris sobre Set. Durante a cerimônia, o faraó usa cordas para erguer uma coluna, com o auxílio de sacerdotes. Isso coincidiu com a época do ano em que o ano agrícola começou e os campos foram semeados. Esta foi apenas uma parte de um feriado de 17 dias de festivais dedicados a Osíris. No geral, a cerimônia de erguer o djed representou tanto a ressurreição de Osíris quanto a força e estabilidade do monarca.”

Origens Antigas, o símbolo sagrado do pilar Djed

O Vaticano enganosamente fez seus crentes testemunharem uma cerimônia de “ressurreição do djed”? Uma coisa é certa, a influência egípcia desse presépio combina bem com o que está por trás dela.

Logo atrás da cena da Natividade está o obelisco de São Pedro (que é originalmente egípcio).

O layout geral do Vaticano é a magia egípcia à vista de todos. O obelisco fálico (representando Osíris e o princípio masculino) está voltado para a cúpula semelhante a um útero da Basílica de São Pedro (representando Ísis e o princípio feminino). O mesmo layout exato pode ser encontrado em vários centros de poder do mundo, incluindo Washington DC.

Em Washington DC, um obelisco (o monumento de Washington) está voltado para a cúpula do Capitólio dos Estados Unidos.

Na magia egípcia, a união dos princípios masculino e feminino (Osíris e Ísis) produz uma “criança estrela” (Hórus). Em termos esotéricos, aquela criança estelar é uma energia mágica potente.

O hieróglifo que representa Sírius – a estrela mais importante no simbolismo ocultista (leia nosso artigo sobre o assunto) é feito de três elementos da trindade egípcia: um obelisco, uma cúpula e uma estrela.

Portanto, o Vaticano tem um obelisco e uma cúpula. Onde está a estrela que completa esta trindade? Está aí, mas temos que olhar de cima.

O obelisco de São Pedro fica bem no meio de uma estrela de oito pontas, também conhecida como estrela de Ishtar.
Uma estrela de oito pontas também está no topo da árvore de Natal que fica ao lado do presépio deste ano.

Por falar em coisas do espaço sideral, o presépio do Vaticano também apresenta um astronauta. Por quê? Deus sabe.

O astronauta parece estar segurando / dando luz algo. 
Além disso, há uma estrela de oito pontas no capacete.

Considerando o fato de que esta figura foi criada entre 1965 e 1975, pode ser uma referência ao pouso na lua de 1969. Mas por que, em 2020, o Vaticano escolheu esta coisa para ficar ao lado de Jesus?

Ainda mais desconcertante, por que há um carrasco usando uma máscara com chifres ao lado de Jesus?

Até ele pensa consigo mesmo: “O que estou fazendo aqui?”.

Nos tempos antigos, os algozes executavam sentenças de morte de pessoas legalmente condenadas cortando suas cabeças. Em alguns casos, eles usavam máscaras grotescas com traços macabros e ameaçadores para aterrorizar ainda mais os prisioneiros enquanto os despersonalizavam como indivíduos. Resumindo, essa é uma figura bizarra para colocar ao lado de Menino Jesus, especialmente considerando o fato de que o próprio Jesus foi condenado à morte.

De acordo com o Religion News Service, o carrasco está lá para representar a oposição do Vaticano à pena de morte. Esse é um argumento muito fraco que quase não faz sentido. Quer dizer, tenho quase certeza de que o Vaticano também é contra a metanfetamina. Eles também deveriam adicionar um traficante de metanfetamina ao presépio?

Em uma cena que é literalmente chamada de “Natividade”, esta figura chifruda representa a morte. É a antítese de uma “Natividade”. Não acho que os satanistas teriam feito um trabalho melhor profanando uma cena que representa o nascimento de Jesus.

Em conclusão

De certa forma, o presépio deste ano é um triste reflexo do ano de 2020. É uma coleção de figuras inexpressivas e socialmente distantes que não interagem umas com as outras sob o brilho de néon de telas de telefones e computadores.

Embora o “Presépio Monumental” tenha sido criado décadas atrás, ele foi selecionado para o presépio deste ano de 2020 por um motivo específico: ele contém símbolos específicos enquanto transmite uma energia específica. Como tudo que aconteceu este ano, esta cena é para mostrar o controle da elite e a desmoralização das massas.


Fonte: vigilantcitizen.com
Tradução: Ninhursag137

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *