Padre Crespi e os artefatos de civilizações perdidas na América do Sul

Por Débora Goldstern

A misteriosa história do Padre Crespi conta a história de um religioso italiano da Sociedade Salesiana São João Bosco que passou 60 anos como missionário no Equador. Durante esse tempo, e como hobby arqueológico, ele coletou uma série de objetos que estariam relacionados a antigas civilizações desconhecidas. Artefatos de ouro com inscrições indecifráveis, um sistema de cavernas subterrâneas que conteria uma Biblioteca de Metal com a verdadeira história da humanidade, estranhas figuras que conectam a América com a antiga Suméria e uma conspiração do Vaticano para manter tudo isso oculto de um difícil quebra-cabeça que a especialista no assunto, Débora Goldstern, tenta montar em sua última investigação.

Foto de Crespi

No meu trabalho recente, “Cueva de los Tayos. Segredos subterrâneos de mundos esquecidos”, 2015, uma investigação de uma década sobre um dos mais importantes enigmas da América do Sul, dedico três capítulos para revisar a história do padre salesiano Carlos Crespi Croci e sua fabulosa coleção.

Sem dúvida, este caso, verdadeiro Arquivo-X e centro de um interesse cada vez maior, nem sempre é abordado em todas as suas dimensões, por isso tentaremos ordenar os dados para ter um melhor entendimento do assunto.

Quem foi Crespi?

Sabemos que Crespi veio ao Equador de sua Itália natal, para iniciar uma tarefa pastoral com os povos indígenas da região. Nesse período, cuja cronologia remonta ao final da década de 1920, dedicou-se ao desenvolvimento do seu ministério, tornando-se um ator de destaque no plano da assistência social, grande obra para a qual está sendo levantada sua canonização.

Crespi. Foto de arquivo.

Paralelamente a estas atividades, Crespi decide dar início ao seu hobby de arqueólogo através de objetos que, em agradecimento ao seu trabalho, os fiéis da sua paróquia lhe deram. Assim, dominado por estas peças, desconhecidas da história conhecida, decide fundar um Museu, com prévia autorização do Vaticano.

Uma coleção de outro mundo

Com o passar dos anos, a Coleção Crespi – como começou a ser conhecida – virou sensação, sendo um comentário obrigatório em toda a América do Sul. Durante o ano de 1962 ocorreu um acontecimento decisivo, marcando um antes e um depois, o início de um incêndio nas instalações do Museu que, segundo rumores, foi intencional.

Incêndio do museu em 1962.

Sete anos depois, em 1969, Juan Móricz, um húngaro nacionalizado argentino, apresenta um ato notarial afirmando uma descoberta sensacional sobre a existência de uma civilização perdida, da qual, ele declara, encontrar provas. A notícia salta para os jornais e chega aos ouvidos de um escritor de mistérios: o suíço Erich von Däniken, que da Europa embarca para o Equador.

É através de Móricz que Däniken tem o primeiro contato com o polêmico salesiano, que deslumbra os suíços com sua coleção. Como resultado, “El Oro de los Dioses”, publicado em 1972, será confirmado como um dos mais emocionantes best-sellers até hoje, Crespi como estrela principal.

No vídeo abaixo podemos ver as centenas se não milhares de artefatos de várias espécies:

A irrupção deste livro causou grande polêmica, não só pelas peças apresentadas, mas também porque, além disso, o próprio Móricz travou uma dura disputa pelas informações transmitidas.

A Conexão Atlante

Em meio a essa situação, outros estudiosos decidem visitar aquele estranho Museu, estando três dos nomes interessados ​​ligados ao chamado maior enigma: Atlântida.

A primeira pessoa a descobrir a coleção é Mason Valentine, descobridor da estrada de Bimini. Suas impressões serão reveladas em um artigo e posteriormente integrando a obra de Charles Berlitz, que era um amigo próximo. Em seguida, será seguido por Pino Turolla, outro atlantologista de carreira, editando “Más Allá de los Andes” (1980).

No entanto, será com Richard Wingate, também seguidor da tese atlante, e com achados feitos nas Bermudas, que ele fará talvez uma das contribuições mais importantes:  “Lost outpost of Atlantis” (1980), onde a coleção de Crespi é revelada como nunca antes, mostrando o que Däniken estava longe de exagerar com sua câmera.

Richard Wingate, um dos três atlantologistas que visitaram o museu. Seu livro é um dos poucos que recria o acervo, com 50 mil peças.

Na época da visita de Wingate, aquele tesouro estava avaliado em quase 50.000 peças, um número impressionante. Outra informação que deve ser prestada é que há um segundo incidente, revelado por Wingate em seu livro, – segundo ele – na década de 1970. Apesar desses contratempos, o Museu sobreviveu, e os atlantologistas estavam convencidos de que algo ali ligava essa coleção à Atlântida.

Mais tarde, uma visita de Mórmons também deixará fotos icônicas, revelando peças absolutamente extraordinárias, brilhando em cobre, alumínio e ouro.

Coleção Crespi. Fotografias da coleção do líder Mórmon Paul Cheesman. Anos 1960. Fotos com símbolos sumérios. Inédito, pertencente ao arquivo pessoal de Débora Goldstern

A conspiração do Vaticano

A partir de 1982, iniciou-se um período de trevas, patrocinado pela morte de Crespi, que já antes de seu desaparecimento físico, testemunhará como seu Museu é desmontado pelas mãos de sua própria ordem que, com cumplicidade oficial, comprará toda a coleção com a objetivo de divulgar a obra do Salesiano – promessa até então não cumprida.

Desde então, o percurso do Museu e das suas peças evaporou, tornando-se quase invisível. Diante das dúvidas sobre o destino da coleção, as vacilações começarão com silêncios incômodos, posição mantida até hoje. A instalação de um discurso oficial que busque ocultar todos os vestígios desse material será lugar-comum. Nem mesmo a insistência de novos estudiosos, ansiosos por saber o paradeiro dos objetos, conseguirá romper o cerco.

Visita realizada por dois jovens húngaros em 2013, mostrando a verdadeira cara do Museu. (Cortesia Endre Wagy e Lendik Erik).

Os testemunhos recolhidos por quem prosseguiu na tentativa de vislumbrar o acervo, revelam opiniões brutais, mencionando o abandono total, a venda, o casting e também manobras pouco claras, acusando salesianos e autoridades governamentais.

Essa realidade terá sua contrapartida em 2001, quando será realizado o “Unsolved Mysteries”, o primeiro congresso de Ooparts, realizado na Áustria, onde peças de Crespi voltam à tona, muitas das quais se acredita terem desaparecido.

A primeira questão que esta exposição revela é como essas peças apresentadas a partir da Coleção Crespi saíram do Equador para a Europa. Com quem?

Todos esses pontos são abordados em meu livro  “Cueva de los Tayos. Underground Secrets of Forgotten Worlds”, com material exclusivo e depoimentos inéditos, que resolvem algumas das lacunas atuais quanto ao destino da coleção.

A título de antevisão, uma fotografia que mostra a forma como parte da coleção foi utilizada para reformas no terreno do mosteiro Iglesia María Auxiliador em Cuenca, onde Crespi desempenhou a sua missão ministerial e fundou o seu museu.

Walter-Jörg Langbein, estudioso alemão, que retratou o Museu do Contrabando, mostrando como os Salesianos usam as placas de Crespi na reforma da sua paróquia.
Placa pregada no chão da Igreja María Auxiliador, Cuenca.

O arqueólogo J. Golden Barton, que visitou o padre nos anos 70, fez uma palestra sobre a “Biblioteca de Ouro de Crespi”, mostrando arquivos e opiniões pessoais:

A veracidade acerca do padre Carlo Crespi é indubitável.


Fonte: mysteryplanet.com.ar
Texto e fotos principais: Débora Goldstern

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *