Pfizer envolvida em práticas ilegais de marketing e bilhões de dólares em condenações criminais

A gigante farmacêutica Pfizer, recentemente conhecida por seu desenvolvimento de uma vacina COVID-19, foi pega várias vezes se envolvendo em comportamento antiético e imoral. Isso não é segredo, mas com o passar dos anos esse fato continua a ser varrido para baixo do tapete e quase sempre não reconhecido pela grande mídia. Visto que a grande mídia tem uma influência tão grande sobre a percepção das massas, não é de se admirar por que tantas pessoas vejam as práticas da “grande farmacêutica” como “teoria da conspiração”. Se olharmos mais de perto, não é difícil entender que realmente existe um grande motivo para preocupação.

Existem muitos exemplos que podem ser escolhidos para expôr o comportamento antiético de grandes empresas farmacêuticas, um deles vem de um artigo publicado em 2010 por Robert G. Evans, PhD, Professor Emérito, Vancouver School of Economics, UBC. O jornal, intitulado “Resistente ao crime? A Pfizer e o CIHR” pode ser acessada através da National Library of Medicine (PubMed) e descreve como a Pfizer tem sido um “infrator habitual” constantemente envolvido em atividades ilegais e criminosas. Este documento em particular aponta que de 2002 a 2010, a Pfizer foi “avaliada em $3 bilhões em condenações criminais, penalidades civis e sentenças jurídicas”, tanto para multas criminais quanto para penalidades totais. Lembre-se de que estamos agora em 2021.

Evans fornece uma série de exemplos, um vindo de setembro de 2009, quando a empresa acertou uma série de encargos por um total de US$ 2,3 bilhões (O’Reilly e Capaccio 2009). Este acordo em particular estabeleceu um novo recorde para uma multa criminal, pois eles se confessaram culpados de uma acusação de crime e falsificação de marca de um produto farmacêutico. Isso significa que várias práticas de marketing fraudulentas foram usadas para promover vários medicamentos. Neste caso, as acusações criminais incidiram na “promoção ilegal” da Pfizer – Bextra (valdecoxib, um medicamento para a dor), Geodon (um antipsicótico atípico), Zyvox (linezolida, um antibiótico) e Lyrica (um medicamento para convulsões). Foram promovidos para usos que não foram aprovados pelo FDA e também propinas para os médicos (que eram pagos para prescrever esses medicamentos).

Em 2007, a subsidiária da Pfizer Pharmacia & Upjohn pagou US$ 34 milhões e se confessou culpada por pagar propinas para a colocação de seus medicamentos no receituário e celebrou um Acordo de Acusação Diferida para a distribuição off label de Genotropin, sua marca para o hormônio de crescimento humano somatropina. Em 2004, a Warner – Lambert, subsidiária da Pfizer, se declarou culpada e pagou mais de $430 milhões para resolver acusações criminais e responsabilidade civil decorrentes de suas práticas de marketing fraudulentas com relação ao Neurontin, sua marca para o medicamento gabapentina. Originalmente desenvolvido para o tratamento da epilepsia, o Neurontin foi ilegalmente promovido off-label para o tratamento de várias formas de dor neurológica e, em particular, para a enxaqueca. -Evans

Evans continua explicando como em 2010 a Pfizer foi condenada a pagar US$ 142 milhões em indenização por comercializar de forma fraudulenta uma droga anti-convulsiva chamada gabapentina, que era comercializada sob o nome de Neurontin. A Pfizer foi pega “fraudulentamente” no mercado do medicamento “e promoveu-o para uso não aprovado”. Foi descoberto que o medicamento foi promovido pela empresa farmacêutica como um tratamento para dores, enxaquecas e transtorno bipolar, embora não sendo eficaz no tratamento dessas condições e fosse realmente tóxico.

Os testes obrigaram a empresa a divulgar todos os seus estudos sobre a droga, inclusive os que mantinha ocultos. Uma nova análise desses ensaios não publicados pela Therapeutics Initiative sugere que a gabapentina funciona para uma em cada seis ou oito pessoas que a usam, na melhor das hipóteses. A revisão também concluiu que uma em cada oito pessoas teve uma reação adversa ao medicamento.

É bastante óbvio que a empresa não quer nunca ser levada a julgamento e sempre acaba pagando grandes quantias em acordos. Além de subornar e pagar médicos e outros profissionais médicos, o jornal aponta que eles distribuíram milhões de dólares para mais de 200 centros médicos acadêmicos e outros grupos de pesquisa para testes clínicos. Uma grande citação vem à mente, Arnold Seymour Relman (1923-2014), Professor de medicina em Harvard e ex-editor-chefe do New England Medical Journal, disse:

A profissão médica está sendo comprada pela indústria farmacêutica, não só em termos da prática da medicina, mas também em termos de ensino e pesquisa. As instituições acadêmicas deste país estão se permitindo ser os cavalheiros pagos da indústria farmacêutica. Eu acho isso uma vergonha. (Citação 15 da Fonte)

Evans destaca outro ponto interessante que mostra por que a “justiça” nunca é realmente feita e essas empresas parecem sempre livres para se envolver nesse tipo de comportamento criminoso.

Uma empresa pode tratar as penalidades criminais e civis simplesmente como despesas comerciais, a serem comparadas com as receitas obtidas com o comportamento ilegal. Mas os seres humanos podem ser colocados na prisão, e isso é outra questão. É concebível que condenar executivos corporativos por comportamento criminoso e condená-los à pena de prisão pode ser um impedimento mais eficaz para o comportamento de “reincidente” como demonstrado pela Pfizer.

Essas empresas também estão protegidas de qualquer dano resultante de suas vacinas. Por exemplo, o governo canadense anunciou que está implementando um programa pan-canadense de apoio a lesões por vacinas sem culpa para todas as vacinas aprovadas pela Health Canada. Isso significa que as empresas farmacêuticas não podem ser responsabilizadas por quaisquer lesões causadas por vacinas, e a indenização por lesões não vem da empresa, mas sim do dinheiro do contribuinte. É semelhante a programas que muitos países já têm em vigor. Nos Estados Unidos, é chamado de Lei Nacional de Compensação de Lesões por Vacinas Infantis. Essas medidas protegem as empresas farmacêuticas e tornam muitos de seus produtos, incluindo vacinas, um produto isento de responsabilidades. Só nos EUA, quase US$ 4 bilhões foi pago a famílias de crianças feridas por vacinas e vários estudos estão questionando sua segurança.

Em todos os casos mencionados por Evans, a própria corporação, ou seja, seus acionistas – incorreram nas penalidades financeiras e os executivos envolvidos foram presumidos inocentes. Evans afirma: “Na ausência de tal responsabilidade pessoal, as penalidades criminais e civis parecem ser, pelo menos para a Pfizer, uma despesa de negócios que vale a pena incorrer. Você precisa gastar dinheiro para ganhar dinheiro.”

Fraude, má conduta e atividades ilegais são aspectos bem conhecidos das práticas comerciais das empresas farmacêuticas. Ao contrário de outras grandes indústrias, embora as práticas comerciais possam ser potencialmente antiéticas, mas não ilegais, as da indústria farmacêutica envolvem-se de maneira rotineira e flagrante em atividades ilegais sem enfrentar quaisquer consequências dissuasivas. A Food and Drug Administration (FDA) e a False Claims Act (FCA) consideram as empresas farmacêuticas criminal e civilmente responsáveis ​​por envolver-se em conduta, incluindo, mas não se limitando a, marca e etiquetagem errônea de produtos, promoção de produtos fora do rótulo ou não aprovados pela FDA usa, deturpando ou adulterando dados e resultados de ensaios clínicos, e deixando de divulgar ou alertar adequadamente os consumidores sobre potenciais riscos e efeitos colaterais. As violações dessas leis e regulamentos são tão generalizadas e regulares,que é difícil argumentar que eles não têm um propósito. – Annastasia Morairty, Revista de Saúde e Direito Biomédico

Lembre-se de que este artigo foi publicado em 2010 e trata apenas de ações criminais da Pfizer de 2002-2010. Estamos agora em 2021 e o problema se espalhou tanto que até mesmo cientistas de organizações como os Centros de Controle de Doenças (CDC), por exemplo, estão denunciando. Por exemplo, alguns anos atrás, mais de uma dúzia de cientistas seniores de dentro da agência publicaram uma carta afirmando o seguinte:

Somos um grupo de cientistas do CDC que está muito preocupado com o estado atual da ética em nossa agência. Parece que nossa missão está sendo influenciada e moldada por terceiros e por interesses desonestos. Parece que nossa missão e intenção do Congresso para nossa agência estão sendo contornadas por alguns de nossos líderes. O que mais nos preocupa é que está se tornando a norma e não a rara exceção. Alguns funcionários da alta administração do CDC estão claramente cientes e até toleram esses comportamentos. Outros vêem e viram para o outro lado. Alguns funcionários são intimidados e pressionados a fazer coisas que sabem que não são certas. Temos representantes de toda a agência que testemunham esse comportamento inaceitável. Ocorre em todos os níveis e em todas as nossas respectivas unidades.Essas práticas questionáveis ​​e antiéticas ameaçam minar nossa credibilidade e reputação como um líder confiável em saúde pública. Gostaríamos de ver altos padrões éticos e uma gestão cuidadosa e responsável restaurados no CDC.

Existem muitos exemplos, muitos para escrever sobre. A Monsanto, por exemplo, agora uma filial da Bayer Pharmaceuticals, conspirou com a Agência de Proteção Ambiental (EPA) para sufocar a pesquisa do câncer e quaisquer conexões com seus produtos. A União Européia aprovou o uso de glifosato e sua aprovação foi considerada baseada na “ciência” plagiada da Monsanto. A Monsanto tem estado dentro e fora do tribunal, lidando com inúmeros casos de câncer relacionados aos seus produtos, principalmente glifosato. A Bayer pagou mais de US $ 10 bilhões para encerrar milhares de ações judiciais movidas por seu herbicida Roundup. (fonte)

Um estudo publicado no British Medical Journal em 2016 por pesquisadores do Nordic Cochrane Center em Copenhagen mostrou que as empresas farmacêuticas não estavam divulgando todas as informações sobre os resultados de seus testes de medicamentos. Os pesquisadores analisaram documentos de 70 ensaios clínicos duplo-cegos controlados por placebo de inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRI) e inibidores da recaptação da serotonina e norepinefrina (SNRI) e descobriram que a extensão total dos danos graves em relatórios de estudos clínicos não foram relatados. Esses são os relatórios enviados às principais autoridades de saúde, como a US Food and Drug Administration.

Aqueles de vocês que estiveram envolvidos no passado na batalha para proteger nossas crianças de vacinas mal feitas ou produtos químicos tóxicos em nossa comida ou água sabem o poder dessas indústrias e como elas minaram todas as instituições em nossa democracia que são supostamente para proteger crianças pequenas de corporações poderosas e gananciosas. Até mesmo as empresas farmacêuticas conseguiram comprar o congresso. Eles são a maior entidade de lobby em Washington DC. Eles têm mais lobistas em Washington DC do que congressistas e senadores juntos. Eles dão duas vezes ao Congresso qual é a segunda maior entidade de lobby, que é petróleo e gás … Imagine o poder que eles exercem sobre republicanos e democratas. Eles os capturaram (nossas agências reguladoras) e os transformaram em fantoches de meia.Eles comprometeram a imprensa … e destroem as publicações que publicam ciência real. – Robert F. Kennedy Jr

Esconder evidências que questionam vários produtos dessas empresas é bastante comum.

Conclusão:  a quantidade de poder e controle que grandes empresas, como a Pfizer, por exemplo, parecem exercer sobre o governos, agências regulatórias federais de saúde e a grande mídia é uma grande preocupação. Por que não existem órgãos independentes trabalhando separadamente do governo para garantir que todos os produtos lançados por essas entidades sejam realmente seguros e eficazes? Por que demos tanto poder ao governo, que por si só parece ter se tornado uma corporação com a tarefa de maximizar o lucro e o controle, em vez de realmente executar a vontade do povo?

Por que temos tanta dificuldade em discutir tópicos controversos? Por que estamos tão polarizados em nossas crenças a ponto de não conseguirmos olhar para outro ponto de vista que desafie o nosso? Por que não podemos aceitar que algumas pessoas discordam de nós e tentamos ouvir seus pontos de vista?

É difícil saber qual a solução para lidar com esses problemas, dado o fato de que essas entidades acumularam tanto poder que são livres para fazer o que quiserem. No final do dia, a conscientização e o compartilhamento de informações são sem dúvida fundamentais, mas algo maior precisa acontecer neste momento para interromper esse tipo de atividade e comportamento. Em última análise, precisamos parar de olhar para essas empresas e instituições com confiança, precisamos parar de contar com eles para nos dizer como nos ajudar com nossos problemas, neste caso,problemas de saúde e precisamos cuidar dessas questões com nossas próprias mãos e receber ajuda daqueles que realmente têm os melhores interesses no coração. Tornamo-nos complacentes e confiantes? Por que tantas pessoas simplesmente confiam nessas empresas e acreditam em tudo que elas dizem? É hora de começar a ver nosso mundo sob uma luz diferente e olhar para as partes “negativas” dele de uma perspectiva neutra para que possamos começar a transformá-lo?

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *