Benjamin Fulford: Como me envolvi na Guerra Secreta que agora está terminando.

Nota aos leitores: Para que eu possa fazer meu ano sabático no deserto canadense, os próximos relatórios serão pré-escritos. Você vai se concentrar na história de como me envolvi na luta contra a máfia khazar. Esperançosamente, isso ajudará os leitores a compreender melhor o que está acontecendo agora. Claro, se algo realmente grande acontecer, emitiremos um relatório de emergência.

Por Benjamin Fulford
26-07-2021

Se você realmente fizer seu trabalho como repórter de linha de frente, não demorará muito para chegar ao lado obscuro dos poderes que governam o mundo. No meu caso, encontrei pela primeira vez os vigaristas que governam o mundo enquanto cobriam a bolha financeira japonesa do final dos anos 1980. O Japão era muito importante naquela época porque a bolha fez os imóveis no Japão valerem 20 vezes mais do que todos os imóveis nos Estados Unidos. O mercado de ações também valia muito mais do que o dos Estados Unidos. Com tanto dinheiro envolvido, as corporações financeiras estrangeiras e a imprensa que controlavam queriam participar da ação.

Na época, eu era um raro falante nativo de inglês que conseguia ler um jornal em japonês e, como consequência, me ofereceram muitos empregos lucrativos no setor financeiro. Em vez disso, decidi me tornar um repórter. Meu primeiro trabalho como repórter (na Knight Ridder Financial News) foi na conferência de imprensa semanal do Ministro das Finanças (então Kiichi Miyazawa) para que eu tivesse um assento na primeira fila no centro do poder japonês.

Meu entendimento da universidade e dos livros de referência foi que o verdadeiro poder no Japão estava no Ministério da Fazenda. Isto foi confirmado quando, como o primeiro repórter estrangeiro a assistir regularmente a estes briefings, descobri que toda vez que eu fazia uma pergunta, um burocrata sussurrava a resposta no ouvido do ministro. Acontece que isso se deveu ao fato de que minhas perguntas raramente se encaixavam no roteiro preparado que ele deveria ler. Os repórteres japoneses, é claro, também faziam perguntas prontas.

De qualquer forma, tendo percebido que o Ministro da Fazenda era um fantoche, decidi ir diretamente à fonte e falar com os burocratas. Logo descobri que eles só me dariam respostas honestas se eu os telefonasse a noite em seus números privados, quando nenhum assessor estivesse por perto. Em uma dessas chamadas, um chefe de departamento exasperado disse: “Se você realmente quer saber o que está acontecendo, fale com a Nomura Securities”.

Na época, Nomura era considerado pelos habitantes locais como o mais importante centro de poder do Japão. Um chairman (presidente do conselho) e um presidente, ambos chamados Tabuchi, embora não diretamente relacionados, dirigiram o Nomura naqueles dias. Eles eram conhecidos como o grande Tabuchi e o pequeno Tabuchi. Eles sempre souberam antes da imprensa financeira ou de outras instituições financeiras quais seriam os números financeiros importantes antes de serem divulgados, e trataram os mercados de acordo.

Os Tabuchis controlavam o Japão da seguinte forma:

Eles fizeram uma lista de 5.000 VIPs (jornalistas, políticos, gangsters, industriais, celebridades, etc.) e emprestaram a cada um vários milhões de dólares. Eles então lhes disseram quais ações comprar com o dinheiro. Depois disso, os vendedores do Nomura em todo o Japão procuravam médicos, donas de casa, pequenos empresários etc. e divulgavam sua lista de “ações recomendadas”. Esses então disparariam em preço, ponto em que os VIPs resgataram, devolveram seus empréstimos e mantiveram milhões em lucros.

O que eu observei na linha de frente (embora não soubesse na época) foi George H. W. Bush (pai) liderando o desmantelamento deste império pela CIA. Eles foram mortos em um enorme escândalo VIP pela polícia japonesa que acabou recebendo suas ordens de Bush. Bush havia assumido o controle de fato do Japão após ordenar que o vôo 123 da companhia aérea japonesa fosse abatido com um míssil em 12 de agosto de 1985, matando 498 pessoas, a fim de forçar as autoridades japonesas a obedecer. O objetivo era assumir o controle das enormes somas de dinheiro que estavam se espalhando pelo Japão durante os anos da bolha.

Na época, eu só estava ciente desta aquisição como um “big bang financeiro” que abriu os mercados financeiros japoneses “corruptos” para operadores estrangeiros “éticos” como a Morgan Stanley.

Uma grande surpresa para mim veio depois que a bolha financeira japonesa estourou. Isso ficou conhecido como o escândalo de Jusen. A imprensa japonesa estava cheia de histórias sobre como o governo iria pagar cerca de US $ 80 bilhões para resgatar essas empresas de empréstimos imobiliários administradas por ex-burocratas do Ministério das Finanças. Eles continuaram perguntando sobre a “responsabilidade do mutuário”. Quando eu pesquisei quem eram os “mutuários”, descobri que todos eram gangsteres japoneses. Então, tínhamos aqui o governo japonês usando o dinheiro do contribuinte para resgatar empresas administradas por ex-burocratas que emprestavam exclusivamente para gangsteres.

Foi então que decidi que precisava falar com os gangsters. Por meio de uma personalidade amiga da TV japonesa, fui apresentado a um gângster muito experiente (com quem conversei extensivamente por um período de cerca de 10 anos).

Ele me disse que os gangsters eram apenas intermediários. Ele disse que as gangues tomariam apenas uma parte do dinheiro do contribuinte antes de repassar o grosso para os poderosos. Ele explicou que era apenas um negócio secundário. Uma fonte muito maior de dinheiro das gangues eram as obras públicas.

Os políticos lhes davam informações sobre onde as estradas e outras obras públicas seriam adquiridas. Os gângsteres então convenceriam ou forçariam os proprietários de terras a venderem a propriedade para eles. Mais tarde, quando o governo comprou o terreno deles por um preço inflacionado, os políticos receberiam sua parte. A propósito, é por isso que o governo japonês tem pressionado para que as Olimpíadas sejam realizadas, apesar de 80% do público japonês se opor. Os gangsters precisam ser pagos ou então.

Outra coisa que as gangues fizeram foi matar jornalistas, políticos e industriais, etc. que não estavam seguindo o sistema.

Na visão de mundo dos gangsteres japoneses de alto nível, as gangues japonesas, assim como o resto do mundo, eram governadas por “um grupo de oito pessoas que se sentaram ao redor de uma mesa e dividiram o petróleo e os dólares”. Acontece que eles estavam certos. Isso é o que eu agora chamo de grupo do octógono que comanda a máfia khazariana.

O caso que finalmente me colocou na mira da Máfia Khazariana foi o assassinato de Tadayo Honma, presidente do Banco de Crédito Nippon (agora Banco Aozora). Diz-se que Honma cometeu suicídio 16 dias após assumir o controle do banco. Eu conhecia Honma de seu tempo no Banco do Japão, por isso não acreditava que ele tivesse cometido suicídio. Então perguntei ao meu amigo gângster, que me disse que Honma tinha uma arma apontada para sua cabeça e me disseram para escrever um bilhete de suicídio. Ele foi então drogado e estrangulado. Escrevi sobre isso extensivamente para a revista Forbes, com muitas evidências corroborantes (não se pode publicar tais alegações com base em uma fonte anônima de gangsteres).

Acontece que Honma foi morto porque ele estava tentando impedir que todo o dinheiro de seu banco fosse doado à Coréia do Norte. Uma vez morto, todos os fundos foram retirados do banco e o dinheiro foi para a Coréia do Norte. Em seguida, Aozora recebeu uma grande ajuda aos contribuintes e foi entregue aos Rockefellers (via Softbank, Cerberus, ex-Vice Presidente dos EUA Dan Quayle, etc.).

Foi interessante que quase imediatamente após escrever para Forbes que Honma havia sido assassinado, a revista Fortune publicou uma reportagem de capa dizendo que ele havia cometido suicídio.

Pouco tempo depois fui contatado por um certo Barry Eisler que me disse estar escrevendo um romance onde havia um jornalista da Forbes, baseado em mim, assassinado com uma arma de ataque cardíaco enquanto andava na clandestinidade. Acontece que Eisler era da CIA.

https://en.wikipedia.org/wiki/Barry_Eisler

Eu achei engraçado na época, mas não demorou muito para que seu livro “Rain Fall” (agora “A Clean Kill in Tokyo”) saísse e que alguém realmente tentou me matar com uma arma indutora de ataque cardíaco quando eu estava no metrô. O suposto assassino era um homem branco mais velho, que chamava atenção carregando um dispositivo cilíndrico branco de 60 x 10 cm.

Assim que desci do trem, ele veio muito rapidamente por trás e apontou o dispositivo nas minhas costas. Eu escapei me escondendo atrás de um pilar.

Acontece que uma marca registrada da máfia Khazariana é anunciar em formato fictício o que eles vão fazer, e então eles realmente o fazem. Lembre-se, por exemplo, de como o livro sobre o naufrágio de um navio chamado Titan em sua viagem inaugural foi lançado pouco antes do naufrágio do Titanic.

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Wreck_of_the_Titan:_Or,_Futility

Eles também fizeram isso com um spin-off de Arquivo X, um piloto de programa de TV chamado “The Lone Gunmen” sobre um avião que entrou no prédio do World Trade Center, que foi ao ar quase um ano antes do 11 de setembro de 2001 e foi filmado e roteirizado muito antes. De fato, uma boa maneira de catalogar seus crimes ao longo dos anos seria procurar incidentes reais que foram previstos em ficções assustadoramente precisas.

Em todo caso, esta não foi a primeira tentativa de assassinato que sobrevivi. Uma tentativa mais séria veio de minha fonte gângster depois de termos tido um mal-entendido. Este ocorreu em Sakhalin, Rússia.

O que aconteceu foi que pessoas do jornal Asahi e da televisão TBS vieram até mim e me disseram que Tadamasa Goto da famosa gangue Goto estava recebendo um transplante de fígado no Hospital da UCLA. Naturalmente, fiquei intrigado com a razão pela qual um conhecido cidadão criminoso e não americano seria escolhido em vez das centenas de americanos esperando por um transplante de fígado. Claro que minha fonte de uma gangue disse: “Se você escrever isso, você será moído em bolos de peixe”.

Quando falei que não respondo a ameaças, ele me disse: “Se você escrever isto, nunca mais falarei com você”. Para mim, manter o contato era mais importante do que uma história relativamente trivial sobre um gângster japonês que recebeu um transplante de fígado. A história foi depois contada por meu colega Jake Adelstein, a quem foi dito por gangsteres associados à Goto que eles “seriam apagados da história, incluindo sua família”.

https://en.wikipedia.org/wiki/Tadamasa_Goto

https://en.wikipedia.org/wiki/Jake_Adelstein

https://www.independent.co.uk/news/world/americas/fbi-helped-japanese-gangster-to-have-life-saving-transplant-in-us-837427.html

De qualquer forma, depois daquela reunião com minha fonte, fui a Sakhalin, Rússia, para fazer uma história para a Forbes sobre os campos de petróleo de lá. Disseram-me para visitar um grande cassino de propriedade da máfia japonesa. O cassino parecia sair direto do set de um filme. Criminosos chechenos armados subcontratados dos gângsteres japoneses cercavam o local. Fui supervisionado pelo gângster japonês encarregado das operações, uma figura cruel, ao contrário da minha fonte, que poderia facilmente se passar por um empresário de alto escalão, que também ficou olhando nervoso para a porta.

Quando eu lhe disse que estava saindo do clube, falou: “Você não pode porque está prestes a ser morto”. Percebendo que estava numa armadilha, eu blefei e apontei para alguns trabalhadores estrangeiros do petróleo no bar e disse: “Não se preocupe, esses caras são da CIA e estão cuidando de mim”. Quando me ouviu, o gângster pulou imediatamente, pegou seu telefone celular, fez uma ligação e voltou muito aliviado. Ele disse: “Está tudo bem, agora você pode voltar para o seu hotel”. Os chechenos do lado de fora pareciam surpresos ao me ver partir em paz.

Por volta dessa época, meu colega Paul Klebnikov, o chefe do departamento de Moscou da Forbes, foi baleado nove vezes depois de deixar sua residência. Levou uma hora, mas ele ainda estava vivo quando a ambulância chegou. Klebnikov morreu no hospital quando o elevador em que estava ficou parado por oito minutos.

O que eu não percebi na época foi que Klebnikov e eu estávamos entre muitos jornalistas importantes que haviam sido mortos, demitidos ou aposentados pela facção da máfia Khazariana trabalhando sob o comando de Bush pai.

Continua na próxima semana.


Nota do Blog:

A leitura dos relatórios de Fulford deve ser feita com certa sagacidade, ou seja, ele parece compartilhar informações diretamente de supostas fontes dentro do Pentágono, da CIA, da White Dragon Society (Sociedade do Dragão Branco) e assim por diante.

Frequentemente, as previsões e declarações de Fulford são altamente precisas, enquanto que, em outros casos, são infundadas e com dados contraditórios. Em vez de olhar para Fulford como alguém que é o ‘mensageiro’ de uma verdade maior, seria mais produtivo considerar seus dados como uma perspectiva ampla do que está acontecendo na Terra neste momento.

É claro que isso se estende a todas as fontes de informação. Fulford, como todos nós, é humano e pode cometer erros. Mas isso não diminui o trabalho que ele faz para aumentar a conscientização, construindo um futuro melhor para a humanidade.

O discernimento é o processo de entender o que é algo, no caso de Fulford, significa receber seus relatórios sem crê-los cegamente e, em seguida, fazer a pesquisa de acompanhamento / verificação de fatos para determinar o que realmente aconteceu. Dessa forma, é um exercício de discernimento em tempo real.

O fato de tantas pessoas continuarem lendo seus relatórios, apesar de sua natureza sensacional e extremamente imprecisa às vezes – embora também sejam precisas e comoventes – significa que as pessoas de quem ele recebe informações provavelmente o estão usando como porta-voz para falar com você – o leitor que está no caminho do despertar. Como tal, crença cega ou rejeição insensível não são nossos aliados, mas sim o pensamento crítico e a mente aberta.

Se ele está servindo como porta-voz de vários grupos que trabalham para mudar o status quo ou agentes infiltrados, podemos decifrar os dados como se fosse uma forma de propaganda do despertar – informações que alguns envolvidos diretamente querem expor à grande massa. Que efeito isso tem no seu processo pessoal depende muito de você. Mas eu sugeriria assumir um papel ativo no discernimento e não cair na armadilha da total aceitação ou rejeição.

– Ninhursag 137


Fonte primária: benjaminfulford.net
Tradução: Ninhursag137

Relacionados

One thought on “Benjamin Fulford: Como me envolvi na Guerra Secreta que agora está terminando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *