Descobrindo os planos do Governo Oculto Ocidental e seguindo a Sociedade Secreta Asiática.

Nota aos leitores: Para que eu possa fazer meu ano sabático no deserto canadense, os próximos relatórios serão pré-escritos. Você vai se concentrar na história de como me envolvi na luta contra a máfia khazar. Esperançosamente, isso ajudará os leitores a compreender melhor o que está acontecendo agora. Claro, se algo realmente grande acontecer, emitiremos um relatório de emergência.

Por Benjamin Fulford
02-08-2021

As tentativas de assassinato contra mim e o assassinato de muitos dos meus colegas fizeram parte de um golpe de estado nazista que ocorreu nos Estados Unidos após o 11 de setembro de 2001. Esta facção nazista, liderada pelo George Bush pai, era um subgrupo da máfia khazariana. Eles estavam matando jornalistas como parte de uma tentativa de controlar a narrativa, a história pela qual a sociedade ocidental era conduzida. No entanto, eu não descobri até que uma princesa norte-coreana me mostrou as evidências.

Aqui está como aconteceu. Eu estava enfrentando uma censura séria na Forbes. Isso começou depois que eu contei a história sobre o assassinato do banqueiro, que detalhei no relatório da semana passada, me chamou a atenção das pessoas que deram ordens à família Forbes.

Por exemplo, uma história sobre o Citibank (uma empresa Rockefeller) sendo expulsa do Japão porque era lavagem de dinheiro para gangsters foi censurada, embora minha fonte fosse o Ministério das Finanças japonês falando oficialmente. A gota d’água para mim veio quando descobri que uma empresa de software antivírus estava criando vírus. Forbes encerrou a história, me dizendo que eu não era “confiável”, quando na verdade a história foi censurada porque Steve Forbes recebeu US$ 500.000 da empresa de antivírus, de acordo com um denunciante da Forbes.

De qualquer forma, estava farto de escrever pornografia empresarial e decidi que meu próximo passo na carreira seria passar a escrever livros. A esperança era transformá-los em filmes de Hollywood. Então, enviei dois capítulos e um esboço de um livro planejado para meu agente nos Estados Unidos. O livro teria descrito um padrão sistemático de assassinato de políticos, jornalistas, industriais, etc. por políticos e gangsteres que faziam parte de um governo oculto corrupto – que realmente – dirigiu o Japão.

Um dia depois de enviar a proposta do livro, recebi um telefonema de Kaoru Nakamaru, que disse ser uma princesa e prima do imperador Hirohito. Ela me disse que seria uma má ideia publicar o livro. Obviamente, ela estava conectada a pessoas que liam meus e-mails, então decidi conhecê-la. Quando eu perguntei a ela como soube o que estava na minha proposta de livro, me disse: “Uma deusa me contou.” (Essa Deusa seria Amaterasu, a divindade reinante da polícia de segurança japonesa).

Quando conheci Nakamaru, ela disse: “Você entende tudo sobre a corrupção no Japão, mas não sabe nada sobre a fonte real, que está no Ocidente”. Ela então me deu um vídeo sobre a verdade do 11 de setembro. Na época, pensei “Oh meu Deus, este é um daqueles filmes anti-semitas sobre 11/09 que li no New York Times”. Eu não tinha intenção de assistir, mas ela continuou me importunando até que eu o fiz. Essa foi a verdadeira pílula vermelha para mim. Não demorou muito para verificar os fatos para perceber que o 11/09 era um trabalho interno. De um míssil atingindo o Pentágono sem quebrar as janelas do segundo andar, sem deixar destroços de avião e um repórter da BBC no Prédio 7, visível ao fundo, dizendo que já havia desabado 20 minutos antes, a evidência foi inegável.

O verdadeiro problema era conseguir mensurar que um grupo de pessoas incrivelmente grande seria necessário para realizar algo assim. As implicações eram realmente estonteantes. Foi apenas olhando para os eventos históricos que percebi que essas bandeiras falsas estavam sendo comumente usadas como desculpa para iniciar guerras.

Por exemplo, o naufrágio do “navio de passageiros inocentes” Lusitânia em 1914 foi usado como uma desculpa para demonizar os alemães e fazer com que os americanos se juntassem aos britânicos na Primeira Guerra Mundial. Somente cem anos depois, em 2014, os britânicos admitiram publicamente que o Lusitânia transportava armas e era, portanto, um alvo militar legítimo. Historiadores observam que anúncios em jornais alertaram os passageiros antes de o navio ser enviado para as proximidades de submarinos alemães como um sacrifício.

Em 2001, as pessoas que controlavam os EUA estavam usando o 11/09 como desculpa para invadir o Oriente Médio (mais uma vez).

Em minha visão de mundo ainda ingênua, percebi que, se as pessoas descobrissem a verdade, haveria uma revolução. Depois de publicar artigos de primeira página para as principais revistas japonesas listando evidências de que o 11/09 era um trabalho interno, dei uma entrevista coletiva no Clube de Correspondentes Estrangeiros do Japão para apresentar as evidências à mídia internacional.

Depois que nenhum deles (com algumas pequenas exceções de jornais rurais australianos) relatou as evidências, percebi que a liberdade de imprensa havia sido extinta da mídia ocidental.

Ninguém na FCCJ ou na imprensa ocidental me debateu ou apresentou evidências mostrando que eu estava errado. Em vez disso, pessoas que eu nem conhecia, de uma hora para outra, começaram uma campanha sistemática de assassinato de caráter (cancelamento) contra mim. A história geral era de que eu estava usando drogas, acreditava em OVNIs e tinha enlouquecido. Fui colocado em uma lista negra e ninguém na imprensa de língua inglesa trabalharia comigo. Muitos editores me disseram que seus chefes ordenaram que não publicassem minhas histórias.

Felizmente, publiquei livros em japonês que venderam bem e me proporcionaram uma renda. Também fui apresentado a um autor japonês chamado Ohta Ryu. Ele me explicou que foi abordado por um grupo de japoneses que estudou as estruturas de poder ocidentais antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Ele usou o material fornecido para publicar seus livros.

O que Ohta disse foi alucinante na época. Estava falando sobre como o Ocidente tinha um governo oculto dirigido por famílias como os Rothschilds e os Rockefellers. Isso pode ser de conhecimento comum agora, mas, na época (por volta de 2005-6), quando fiz uma pesquisa na Internet sobre os Rothschilds, encontrei exatamente uma frase sobre eles em toda a web. Era de uma sala de bate-papo israelense, onde um participante mencionou um boato de que os Rothschilds estavam envolvidos na formação de Israel.

No que diz respeito ao nosso suposto soberano David Rockefeller, ele era o número 300 ou mais na lista dos mais ricos da Forbes e considerado uma pessoa esquecida. Tive de voltar à edição de 1918 da Forbes para descobrir a história real. Acontece que John Rockefeller, o primeiro, de repente ficou pobre da noite para o dia, doando toda a sua fortuna (cerca de US$ 300 bilhões em dinheiro de hoje) para uma fundação. Uma vez que o dinheiro estava em uma fundação, os proprietários não pagavam imposto sobre herança e não precisavam divulgar muitas informações. Uma trilha de papel levou a mais de 200 fundações controladas pelos Rockefellers que, por sua vez, controlavam a maioria das empresas da Fortune 500.

O que comecei a perceber é que todos os assassinatos de políticos japoneses etc. eram parte de uma aquisição hostil da Rockefeller & Co. da Japan Inc. Um homem-chave que usaram para realizar essa operação foi Heizo Takenaka, que era o Ministro da Economia de 2002-2005. Enquanto estava neste trabalho, ele desmantelou o sistema de participação cruzada onde bancos e empresas possuíam as ações uns dos outros. Takenaka forçou todos os bancos a vender suas ações em empresas listadas do Japão para fundos estrangeiros como Vanguard, Blackrock e State Street & Banking. Quando o confrontei sobre a entrega de todas as empresas listadas do Japão para os Rockefellers etc., ele se contorceu visivelmente na cadeira e foi evasivo.

No entanto, no dia seguinte à entrevista, recebi um telefonema de um funcionário do banco de desenvolvimento do Japão que me disse que havia alguém que Heizo Takenaka queria que eu conhecesse. Então, fui até um quarto de hotel no centro de Tóquio, onde conheci uma pessoa chamada Shiramine que se autodenominava Ninja.

Gravei com sua permissão uma conversa na qual ele me ofereceu o cargo de Ministro das Finanças do Japão, desde que eu cumprisse um plano para matar 90% da humanidade. Ele disse que era necessário para “salvar o meio ambiente”. Como a guerra não matou pessoas suficientes, o plano era usar doenças e fome para matar todos, disse ele. Shiramine acrescentou que, se eu recusasse a oferta, seria morto.

Para seu crédito, quando Shiramine me conheceu e me fez esta proposta, também me entregou uma fita e me disse para ouvi-la em algum lugar privativo. Nesta fita, ele disse que o problema eram os “anciãos de Sião”. Outro enviado de Takenaka também me disse que ele entregou o controle de todas as corporações do país porque o Japão havia sido “ameaçado por uma máquina de terremoto”.

No dia seguinte, outra pessoa me ligou e disse que queria me conhecer. Novamente, a reunião aconteceu em um quarto de hotel no centro da cidade. Desta vez, era alguém de uma sociedade secreta asiática conhecida como The Red and The Green. Ele disse que tinham 8 milhões de membros, incluindo 200.000 assassinos que poderiam ajudar. Este grupo também sabia sobre o plano para matar 90% da humanidade porque eles haviam gravado secretamente uma reunião no Bohemian Grove onde discutiram tudo isso.

Os membros desse grupo trabalharam por muito tempo com sociedades secretas ocidentais, por exemplo, fornecendo-lhes heroína do triângulo dourado. No entanto, foi a tentativa de matá-los com SARS, uma bio-arma projetada para matar asiáticos, que finalmente os colocou em pé de guerra.

Você pode imaginar meu choque e desorientação ao ver tudo isso no espaço de apenas uma semana. Como alguém que viveu toda a sua vida no mundo aberto oficial, visto nos registros públicos, isso era estonteante, para dizer o mínimo. De qualquer forma, como não podia concordar com um plano para matar 90% da humanidade, decidi seguir a sociedade secreta asiática.

No início, sendo um jornalista amante da paz, pensei em ideias como talvez a sociedade secreta asiática pudesse exibir os filmes da verdade sobre o 11/09 nos cinemas de Chinatown. No entanto, eventualmente, tive o que chamo de meu momento “Kill Bill”. No filme Kill Bill, há uma cena em que uma assassina (interpretada por Uma Thurman) está em uma luta desesperada por sua vida com um oponente caolho. Quando Thurman arranca o olho de seu oponente, de repente a luta termina.

O que percebi foi que a maioria dos ocidentais (como eu) não tinha ideia do que seus líderes secretos estavam tramando e ficaria chocado se descobrisse. A falha do Governo Oculto do Ocidente era sua alta centralização. Portanto, aconselhei a sociedade secreta asiática a “arrancar o olho”. Dei-lhes uma lista de todas as pessoas que eram membros do Bilderberg, do Conselho de Relações Exteriores e da Comissão Trilateral. Eu disse que se os visasse, poderiam impedir o genocídio planejado.

Mais tarde, quando a ameaça da máquina de terremoto foi feita diretamente para mim, respondi que “não poderiam parar os assassinatos com uma máquina de terremoto.”

A outra coisa que sugeri à Sociedade Secreta Asiática foi que comprar títulos do governo dos Estados Unidos era pior do que comprar ópio. “O ópio lhe dá prazer, mas você está pagando para matá-lo”, foi o que eu disse a um dos principais conselheiros do Politburo chinês.

Em qualquer caso, a Sociedade Secreta Asiática se mobilizou. Eles ameaçaram matar a elite ocidental e também pararam de comprar títulos do governo dos Estados Unidos. Assim, a tentativa de matar 90% da humanidade foi paralisada. Esse foi o verdadeiro pano de fundo do chamado “choque do Lehman”, crise financeira de 2008 e do nascimento do governo Obama.

No entanto, a guerra secreta apenas começou. Muitos novos jogadores emergiram das sombras após esses eventos.

Na próxima semana falarei sobre como conheci David Rockefeller. Também discutirei encontros com grupos como o Black Sun, os Illuminati, o Programa Espacial Secreto Nazi, o FSB russo e o ex-chefe do MI6, Dr. Michael Van de Meer.

Por favor, fique atento…


Nota do Blog:

A leitura dos relatórios de Fulford deve ser feita com certa sagacidade, ou seja, ele parece compartilhar informações diretamente de supostas fontes dentro do Pentágono, da CIA, da White Dragon Society (Sociedade do Dragão Branco) e assim por diante.

Frequentemente, as previsões e declarações de Fulford são altamente precisas, enquanto que, em outros casos, são infundadas e com dados contraditórios. Em vez de olhar para Fulford como alguém que é o ‘mensageiro’ de uma verdade maior, seria mais produtivo considerar seus dados como uma perspectiva ampla do que está acontecendo na Terra neste momento.

É claro que isso se estende a todas as fontes de informação. Fulford, como todos nós, é humano e pode cometer erros. Mas isso não diminui o trabalho que ele faz para aumentar a conscientização, construindo um futuro melhor para a humanidade.

O discernimento é o processo de entender o que é algo, no caso de Fulford, significa receber seus relatórios sem crê-los cegamente e, em seguida, fazer a pesquisa de acompanhamento / verificação de fatos para determinar o que realmente aconteceu. Dessa forma, é um exercício de discernimento em tempo real.

O fato de tantas pessoas continuarem lendo seus relatórios, apesar de sua natureza sensacional e extremamente imprecisa às vezes – embora também sejam precisas e comoventes – significa que as pessoas de quem ele recebe informações provavelmente o estão usando como porta-voz para falar com você – o leitor que está no caminho do despertar. Como tal, crença cega ou rejeição insensível não são nossos aliados, mas sim o pensamento crítico e a mente aberta.

Se ele está servindo como porta-voz de vários grupos que trabalham para mudar o status quo ou agentes infiltrados, podemos decifrar os dados como se fosse uma forma de propaganda do despertar – informações que alguns envolvidos diretamente querem expor à grande massa. Que efeito isso tem no seu processo pessoal depende muito de você. Mas eu sugeriria assumir um papel ativo no discernimento e não cair na armadilha da total aceitação ou rejeição.

– Ninhursag 137


Fonte primária: benjaminfulford.net
Tradução: Ninhursag137

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *