O Grande Reset, Parte 4: “Capitalismo de Stakeholder” vs. “Neoliberalismo”

Por Michael Rectenwald

*Nota do Blog* – Stakeholder significa público estratégico. Em inglês stake significa interesse, participação, risco. Holder significa aquele que possui. Assim, stakeholder também significa parte interessada ou interveniente. É uma palavra em inglês muito utilizada nas áreas de comunicação, administração e tecnologia da informação cujo objetivo é designar as pessoas e grupos mais importantes para um planejamento estratégico ou plano de negócios, ou seja, as partes interessadas.


Qualquer debate sobre o “capitalismo de stakeholder” deve começar apontando um paradoxo: como o “neoliberalismo”, seu nêmesis, o “capitalismo de stakeholder” não existe como tal. Não existe um sistema econômico como o “capitalismo de stakeholder”, assim como não existe um sistema econômico como o “neoliberalismo”. Os dois gêmeos hostis são fantasmas imaginários, sempre se enfrentando em uma luta aparentemente interminável e frenética.

Em vez de capitalismo de stakeholders e neoliberalismo, há autores que escrevem sobre capitalismo de stakeholders e neoliberalismo e empresas que mais ou menos subscrevem a visão de que as empresas têm obrigações para com os stakeholders e também para com os acionistas. Mas se Klaus Schwab e o Fórum Econômico Mundial (WEF) conseguirem o que querem, haverá governos que induzirão, por meio de regulamentações e da ameaça de impostos onerosos, as empresas a se inscreverem para a redistribuição das partes interessadas.

Os stakeholders são “clientes, fornecedores, funcionários e comunidades locais” 1 além dos acionistas. Mas, para Klaus Schwab e o WEF, a estrutura do capitalismo de stakeholder deve ser globalizada. Um stakeholder é qualquer pessoa ou grupo que se beneficia ou perde com o comportamento de uma empresa, além dos concorrentes, podemos supor. Como o principal pretexto para o Grande Reset são as mudanças climáticas globais, qualquer pessoa no mundo pode ser considerada um stakeholder na governança corporativa de qualquer grande corporação. E as parcerias federais com empresas que não “atendem” seus stakeholders, como o projeto do gasoduto Keystone, por exemplo, devem ser abandonadas. A “igualdade” racial, a promoção de agendas transgênero e outras políticas de identidade desse tipo também serão injetadas em esquemas corporativos de repartição.

Em qualquer caso, o capitalismo de stakeholders representa um verme consumista destinado a penetrar nas corporações e esvaziá-las de dentro, na medida em que a ideologia e a prática estão alojadas nas corporações. Representa um meio de liquidação socialista da riqueza de dentro das próprias organizações capitalistas, usando qualquer número de critérios de redistribuição de lucros e “externalidades”.

Mas não acredite apenas na minha palavra. Tome um David Campbell, um socialista britânico (embora não um marxista) e autor de The Failure of Marxism (1996). Depois de declarar que o marxismo havia falhado, Campbell começou a defender o capitalismo de stakeholder como um meio para os mesmos fins. Sua discussão com o marxista ortodoxo britânico Paddy Ireland representa uma disputa interna sobre os melhores meios de alcançar o socialismo, ao mesmo tempo que fornece uma lente de aumento para as mentes dos socialistas determinados a tentar outros caminhos, presumivelmente não violentos. 2

Campbell atacou a Irlanda por sua rejeição ao capitalismo de stakeholder. A Irlanda argumentou – erroneamente, afirmou Campbell – que o capitalismo de stakeholder é, em última análise, impossível. Nada pode interferir, por muito tempo, na inexorável demanda por lucros de mercado. As forças do mercado inevitavelmente superam quaisquer considerações éticas, como os interesses das partes interessadas.

O marxismo mais radical da Irlanda deixou Campbell perplexo. A Irlanda não percebeu que seu determinismo de mercado era exatamente o que os defensores do “neoliberalismo” afirmavam ser o meio inevitável e o único seguro para a distribuição do bem-estar social? ‘Marxismo’, Campbell corretamente apontou, ‘pode ser identificado com o ridículo da’ reforma social ‘por não representar, ou mesmo obstruir,’ a revolução ‘. ” Como tantos marxistas anti-reformistas, a Irlanda não reconheceu que “as reformas sociais de que ele zombou são a revolução”. 3 O socialismo nada mais é do que um movimento pelo qual “a suposta necessidade natural representada por imperativos” econômicos “atento à alocação de recursos ”(ênfase minha). 4 Esse socialismo político, ao contrário dos epígonos ortodoxos de Marx, é o que Marx realmente quis dizer com socialismo, sugere Campbell. O capitalismo de stakeholder é apenas isso: socialismo.

Irlanda e Campbell concordam que a própria ideia de capitalismo de stakeholders origina-se de empresas que se tornam relativamente autônomas de seus acionistas. A ideia de independência gerencial e, portanto, autonomia corporativa ou empresarial foi discutida pela primeira vez por Adolf A. Berle e Gardiner C. Means em The Modern Corporation and Private Property (1932) e, depois deles, em The Managerial Revolution(1962) por James Burnham. Em “Governança Corporativa, Participação e a Empresa: Rumo a um Capitalismo Menos Degenerado?”, A Irlanda escreve sobre essa suposta autonomia: “[A] ideia de empresa participante está enraizada na autonomia da ’empresa’ em relação aos acionistas ; a alegação deles é que essa autonomia … pode ser explorada para garantir que as empresas não operem exclusivamente com os interesses de seus acionistas em mente. ‘ 5

Essa aparente autonomia da empresa, afirma a Irlanda, não ocorreu com a incorporação ou mudanças legais na estrutura da corporação, mas com o crescimento do capitalismo industrial em grande escala. O aumento do número de ações e, com ele, a chegada da bolsa de valores, facilitou a sua venda. As ações foram convertidas em “capital monetário”, títulos facilmente trocados por uma porcentagem dos lucros, não em direitos sobre os ativos da empresa. Foi então que as ações adquiriram uma aparente autonomia da sociedade e esta última dos seus acionistas.

Além disso, com o surgimento desse mercado, as ações desenvolveram seu próprio valor autônomo, bastante independente, e muitas vezes diferente, do valor dos ativos da empresa. Emergindo como o que Marx chamou de capital fictício, eles foram redefinidos por lei como uma forma autônoma de propriedade independente dos ativos da empresa. Já não são concebidos como interesses equitativos na propriedade da empresa, mas como direitos adquirentes com o seu próprio valor, direitos que podem ser livremente e facilmente comprados e vendidos no mercado …

Ao se tornarem independentes do patrimônio das sociedades, as ações surgiram como objetos jurídicos autônomos, aparentemente dobrando o capital das sociedades anônimas. Os bens passaram a ser propriedade da sociedade e apenas desta, quer por meio de sociedade, quer, no caso de sociedades não constituídas em sociedade, por mandatários. Em vez disso, o capital intangível da empresa tornou-se propriedade exclusiva do acionista. Essas são agora duas formas muito diferentes de propriedade. Acresce que, com a constituição legal da participação como forma de titularidade totalmente autónoma, a externalização do acionista para a sociedade tinha-se concretizado de uma forma que anteriormente não era possível. 6

Assim, segundo a Irlanda, surgia uma diferença de juros entre os titulares do capital industrial e os do capital à vista, ou entre a sociedade e o acionista.

No entanto, a Irlanda argumenta que a autonomia da empresa é limitada pela necessidade de capital industrial para produzir lucros. O valor das ações é determinado, em última instância, pela lucratividade dos ativos em uso da empresa. “A empresa é, e sempre será, a personificação do capital industrial e, como tal, está sujeita aos imperativos da rentabilidade e da acumulação. Eles não são impostos de fora a uma entidade neutra e sem direção, mas são intrínsecos a ela e estão no âmago de sua existência. ‘ Essa necessidade, argumenta Paddy, define os limites do capitalismo de stakeholder e sua incapacidade de se sustentar. “A natureza da empresa é tal, portanto, a ponto de sugerir que [há] limites estritos na medida em que sua autonomia em relação aos acionistas pode ser explorada em benefício dos trabalhadores.” 7

Aqui está um ponto em que o “neoliberal” Milton Friedman e o marxista Paddy Ireland teriam concordado, apesar da insistência da Irlanda de que a extração de “mais-valia” no ponto de produção é a causa. E esse acordo entre Friedman e a Irlanda é exatamente o motivo pelo qual Campbell rejeitou o argumento da Irlanda. Tal determinismo de mercado só é necessário no capitalismo, afirmou Campbell. As previsões sobre como as empresas se comportarão no contexto dos mercados são válidas apenas nas atuais condições de mercado. Mudar as regras da empresa de forma que a lucratividade seja ameaçada, embora, ou mesmo especialmente, de dentro para fora, é a própria definição de socialismo. Mudar a forma como as empresas se comportam na direção do capitalismo de stakeholder é revolucionário em si .

Apesar deste impasse “neoliberal” / marxista intransponível, a noção de capitalismo de stakeholder tem pelo menos cinquenta anos. Os debates sobre a eficácia do capitalismo de stakeholder datam da década de 1980. Eles foram provocados pela rejeição de Friedman da “corporação da alma”, que atingiu seu auge com Carl Kaysen em 1957, ” O significado social da corporação moderna ” . Kaysen via a corporação como uma instituição social que deve pesar a lucratividade com uma gama ampla e crescente de responsabilidades sociais: “não há sinais de ganância ou avareza; não há tentativa de colocar os custos sociais da empresa sobre os trabalhadores ou a comunidade. A empresa moderna é uma empresa com alma. 8 Assim, em Kaysen, vemos indícios da noção posterior de capitalismo de stakeholder.

É provável que os stakeholders do capitalismo levantem, embora não em uma linha ininterrupta de sucessão ao “idealismo comercial” em setembro no final do século XIX e início do século XX, quando Edward Bellamy e King Camp Gillette, entre outros, imaginaram utopias socialistas corporativas através incorporação. 10 Para esses socialistas corporativos, o principal meio de estabelecer o socialismo era a incorporação contínua de todos os fatores de produção. Com a incorporação, uma série de fusões e aquisições ocorreria até que a formação de um monopólio global único fosse concluída, em que todas as “Pessoas” tinham uma participação igual. Em sua « World Corporation», Gillette afirmou que “a mente treinada de negócios e finanças não vê onde parar a absorção e o crescimento corporativo, exceto a eventual absorção de todos os ativos materiais do mundo em uma entidade corporativa, sob o controle diretivo de uma mente corporativa. Corporativa”. 11 Tal monopólio mundial singular se tornaria socialista com a distribuição eqüitativa das ações entre a população. O capitalismo de stakeholder não alcança essa distribuição eqüitativa de ações, mas sim distribui valor com base na pressão social e política.

Curiosamente, Campbell termina seu argumento, de forma não dogmática, afirmando inequivocamente que se Friedman estava certo e ‘se essas comparações [entre capitalismo acionista e acionista] tendem a mostrar que a maximização exclusiva do valor do acionista é a maneira ideal de maximizar o bem-estar’, então ‘um deve deixar de ser um socialista ‘. 12 Se, afinal, maximizar o bem-estar humano é realmente o objetivo, e o ‘capitalismo acionista’ (ou ‘neoliberalismo’) acaba sendo a melhor maneira de alcançá-lo, então o próprio socialismo, incluindo o capitalismo acionista, deve ser necessariamente abandonado.


  • 1.Neil Kokemuller, “Does a Corporation Have Other Stakeholders Other Than Its Shareholders?,” Chron.com, Oct. 26, 2016, https://smallbusiness.chron.com/corporation-other-stakeholders-other-its-shareholders-63538.html.
  • 2.David Campbell, “Towards a Less Irrelevant Socialism: Stakeholding as a ‘Reform’ of the Capitalist Economy,” Journal of Law and Society 24, no. 1 (1997): 65–84.
  • 3.Campbell, “Toward a Less Irrelevant Socialism,” 75 and 76, emphasis in original.
  • 4.Campbell, “Toward a Less Irrelevant Socialism,” 76.
  • 5.Paddy Ireland, “Corporate Governance, Stakeholding, and the Company: Towards a Less Degenerate Capitalism?,” Journal of Law and Society 23, no. 3 (September 1996): 287–320, esp. 288.
  • 6.Paddy, “Corporate Governance, Stakeholding, and the Company,” 303.
  • 7.Paddy, “Corporate Governance, Stakeholding, and the Company,” 304 (both quotes).
  • 8.Carl Kaysen, “The Social Significance of the Modern Corporation,” in “Papers and Proceedings of the Sixty-Eighth Annual Meeting of the American Economic Association,” ed. James Washington Bell and Gertrude Tait, special issue, American Economic Review 47, no. 2 (May 1957): 311–19, 314.
  • 9.Gib Prettyman, “Advertising, Utopia, and Commercial Idealism: The Case of King Gillette,” Prospects 24 (January 1999): 231–48.
  • 10.Gib Prettyman, “Gilded Age Utopias of Incorporation,” Utopian Studies 12, no. 1 (2001): 19–40; Michael Rectenwald, “Libertarianism(s) versus Postmodernism and ‘Social Justice’ Ideology,” Quarterly Journal of Austrian Economics 22, no. 2 (2019): 122–38, https://doi.org/10.35297/qjae.010009.
  • 11.King Camp Gillette, “World Corporation” (Boston: New England News, 1910), p. 4.
  • 12.Campbell, “Toward a Less Irrelevant Socialism,” 81.

Relacionados

3 thoughts on “O Grande Reset, Parte 4: “Capitalismo de Stakeholder” vs. “Neoliberalismo”

Comments are closed.